Escuta ativa: descubra o que é e como desenvolvê-la
Início » Psicologia Organizacional » Escuta ativa: descubra o que é e como desenvolvê-la

Sem tempo para ler?

A habilidade de se comunicar é uma das qualidades mais importantes quando falamos em interações sociais mais eficazes e positivas. Todavia, além da fala, a escuta é uma habilidade tão importante quanto. Ouvir não se trata apenas de permitir que a outra pessoa fale, e é aí que entra a relevância da Escuta Ativa.

Explorar a escuta ativa é tão essencial quanto a capacidade de resolver conflitos e ser compreensivo e interessado nas demais atividades que acontecem no ambiente organizacional. Por essa razão, precisa sempre ser aprimorada de modo hábil e, sempre que possível, contando com a assistência do RH.

No artigo abaixo, saiba mais sobre a escuta ativa e todas as suas possibilidades!

Liderança Situacional

O que é escuta ativa?

Escuta ativa é uma metodologia utilizada para a manutenção de uma comunicação eficaz, onde o interlocutor consegue entender e alinhar tudo aquilo que está sendo entregue, de modo direto e objetivo.

Em qualquer diálogo é bastante normal que nem tudo aquilo que o interlocutor informa seja assimilado.

Os motivos variam, desde os acúmulos de informações repassadas até ausência de atenção ou mesmo quando não há facilidade para compreender e ponderar o que está sendo trazido.

O que é escuta ativa?

Como melhorar a escuta ativa?

O papel da escuta ativa é tentar elaborar habilidades comunicativas que permitam a construção de interações sequenciais e efetivas, passíveis de aplicação tanto na vida profissional quanto na vida pessoal do colaborador.

Como isso é possível? Exercitando e progredindo para se concentrar no que está sendo dito pelo seu interlocutor.

Conforme o interesse pela fala do outro aumenta, menores são as chances de devanear e não conseguir consumir as referências entregues no processo.

Na empresa, por exemplo, a escuta ativa pode ser aplicada também durante a comunicação com seus consumidores e clientes, além de ser essencial em conferências e avaliações.

Comunicação Organizacional

Uma escuta ativa bem operada auxilia no aprimoramento e na maior conexão das relações da empresa com seu público-alvo e, principalmente, com seus colaboradores, agora capazes de fazer ecoar falas limpas, objetivas e eficazes, através das quais diminuem os questionamentos e problemas.

Princípios da escuta ativa

Princípios da escuta ativa

São princípios da escuta ativa os seguintes: empatia, perguntas investigativas e validação da compreensão.

Sobre cada um deles, falaremos brevemente abaixo:

  • Empatia: acontece quando vivências parecidas são divididas entre os participantes da conversa e também através da chama técnica de espelhamento.
  • Perguntas investigativas: são geralmente baseadas em métodos como BANT (identificar clientes alinhados à persona da empresa).
  • Validação do entendimento: quando o indivíduo é capaz de parafrasear aquilo que foi entregue durante o diálogo.

Como desenvolver a escuta ativa na sua empresa?

A seguir, listaremos algumas dicas de como praticar a escuta ativa na sua empresa, visando aprimorar o desempenho dos seus colaboradores e melhorar os resultados gerais da organização.

Como desenvolver a escuta ativa na sua empresa?

Ao dialogar na escuta ativa, tenha foco

Manter o foco e eliminar as distrações que possam existir durante um diálogo, é o passo inicial para a prática da escuta ativa.

Quando a conversa começar, evite contato com mídias sociais, smartphones, e-mails, atender telefones, conversas cruzadas etc.

Para conseguir focar no seu interlocutor, é preciso deixá-lo confiante e acreditando na sua habilidade de escuta enquanto o diálogo estiver procedendo.

Não faça seleções em relação à fala do outro

No desenrolar do diálogo, evite escolher determinados pontos da fala do seu interlocutor para memorizar. O ideal é que seja dada atenção à totalidade da conversa, pois assim haverá compreensão de todos os pontos.

Permita que o interlocutor utilize o tempo necessário para se comunicar

É importante que a outra pessoa não seja forçada a agilizar sua fala e seu raciocínio durante a conversa. Para evitar que isso aconteça, deixe o seu interlocutor à vontade, permitindo que entregue tudo o que julgar necessário e conclua seu pensamento.

Mantenha a mente aberta e evite julgar o que está sendo comunicado

Nem sempre é fácil, porém sempre encontraremos pessoas com visões e posicionamentos opostos aos nossos.

A escuta ativa entra nesse processo na intenção de não deixar que suas noções e valores a respeito de determinada fala comprometam sua capacidade de ser compreensivo em relação à bagagem do outro.

Procure sempre estar aberto ao que vier do outro lado, entendendo que cada pessoa tem um processo e uma estrada que lhe permitiu estar naquele lugar.

Procure escutar e considerar o que está sendo dito

Além da linguagem oral, considerada o alicerce da escuta ativa, deve ser analisada também comunicação não verbal.

Por que? Porque o corpo também diz. Então você deve procurar sempre enxergar além do que está sendo dito, analisando como o corpo do seu interlocutor reage às falas, ao que está sendo comunicado como um todo.

Procure então o que o rosto está expressando, o que as mãos estão dizendo, se o corpo está ansioso ou descontraído durante a conversa etc.

Deixe seu interlocutor confortável

Para que a escuta ativa funcione, você precisa deixar o ouvinte confortável enquanto durar o diálogo. De que modo?

Deixando que ele perceba que você está curioso em relação ao que está sendo contado, mantendo contato visual e se utilizando de métodos eficazes que demonstre seu foco naquilo que está sendo entregue.

Questione

Para a eficácia da escuta ativa, é importante também que se desenvolva a prática de fazer questionamentos enquanto a conversa acontece. Desse modo, dá para ter certeza de que o interlocutor realmente recebeu e entendeu a mensagem passada.

Se você for o ouvinte, questione, incentive, deixe a outra pessoa encorajada para que o diálogo seja cada vez mais aprofundado.

Desfrute da linguagem corporal

Explanamos acima sobre como é válido observar a linguagem corporal do seu interlocutor. Mas a sua linguagem não verbal é também um ponto de importância para reproduzir confiança.

Ocupando o lugar de ouvinte, esse recurso é válido para que fique clara a sua curiosidade relacionada à conversa que acontece. Seu tom de voz, seus trejeitos, tudo é um ponto a ser analisado.

Seja empático

Sem empatia não existe escuta ativa. Portanto, sempre que for dialogar, se imagine no lugar da outra pessoa e procure compreender tudo o que aconteceu de motivação, de aprendizado, de vivências etc. que fizeram com que estivesse naquele lugar agindo daquela maneira.

Não perca de vista o fato de que tudo pode ter vários pontos de vista.

Entregue feedbacks

Ao final de cada conversa, demonstrei ao seu interlocutor que seu objetivo foi concretizado, a mensagem foi transmitida.

Seja elogiando ou demonstrando pontos de melhoria, o que importa é que as informações tenham despertado interesse e as distrações tenham sido as menores possíveis.

Através do feedback, as melhorias poderão acontecer não apenas nas relações entre os colaboradores, mas também em todos os processos da empresa, como vendas e relações diretas com clientes e consumidores.

Gostou do nosso conteúdo?

Conheça também o Go Learning: uma Universidade Corporativa gratuita, criada pela Keeps e pensada para todos do T&D e RH. Um lugar onde você desenvolve as principais soft skills para o mundo corporativo atual.

Inscreva-se no Go Learning e faça parte dessa comunidade!

Contato

Relacionados