keeps logo
Desenvolvendo e impulsionando conhecimento

Pipeline de Liderança: o que é, como usar e as 6 transições

Início » Estruturas Organizacionais » Pipeline de Liderança: o que é, como usar e as 6 transições

O Pipeline de Liderança é um método constituído em 6 etapas e possui o objetivo de desenvolver a habilidade de líderes de alta performance, dentro de um ambiente empresarial. Essa metodologia considera que ser empreendedor é uma habilidade que pode ser desenvolvida, e não que nasce com o ser humano. O Pipeline de Liderança entra nesse treinamento para ajudar desde os líderes dos menores cargos, até o CEO, em seus comportamentos de líderes. Quer saber como transformar a empresa através do Pipeline de Liderança? Nós traremos todas as informações neste artigo!

O que é Pipeline de Liderança?

Pipeline de Liderança, que significa um “sistema de tubulação com várias ramificações”, é uma metodologia criada e aplicada exclusivamente para ajudar no desenvolvimento de líderes como um diferencial competitivo.

Ram Charan – seu criador – acreditava que a liderança não é um talento, mas sim uma habilidade que pode ser aprendida e desenvolvida.

Na perspectiva do pipeline, o RH precisa dar atenção à complexidade e aos diferentes fatores que afetam cada colaborador, já que o desenvolvimento de pessoas é uma das atividades mais importantes que podem ser realizadas pelo departamento RH.

A partir do oferecimento de cursos e programas de capacitação e do investimento nas melhores práticas, é viável aprimorar um profissional e, assim, elevá-lo a um nível superior de excelência.

Para que isso ocorra com êxito, a metodologia do Pipeline de Liderança sugere que a questão deve ser tratada com atenção especial à sua complexidade e aos diferentes fatores que afetam cada profissional.

O que Charan propõe é o uso de 6 etapas fundamentais, comuns em um ambiente corporativo, para ajudar a moldar novos líderes de alta performance.

As 6 etapas do Pipeline de Liderança

Para compreender e aplicar o Pipeline de Liderança, é preciso abandonar a velha ideia de que a habilidade para liderar é necessariamente inata.

Existem sim casos de líderes que parecem nascer prontos comandar, mas isso se trata de exceção, não de uma regra.

Para começar, você deve enxergar a si mesmo e a seus colaboradores como seres plenamente capazes de aprender e desenvolver as qualidades necessárias para assumir um posto de comando e assim, se tornarem grandes líderes.

A partir desse entendimento, você será capaz de visualizar as diferentes etapas de transição que precisam ser superadas no caminho para a construção da liderança.

As 6 etapas do Pipeline de Liderança

Sendo assim, veja a seguir quais são os 6 estágios de transição fundamentais para o processo. Acompanhe!

1: de gerenciar a si mesmo, para gerenciar os outros

Antes de qualquer coisa, todo profissional é um gestor de si mesmo.

Tudo começa no início da sua inserção no ambiente empresarial, onde o colaborador destina seu tempo para a realização de atividades que são delegadas por outros profissionais.

Seu papel nesse momento profissional é garantir a sua própria eficiência e produtividade, pois ao fazer isso com êxito, ficará em posição de destaque e chamará atenção do seu gestor.

A tendência é que esse colaborador receba novas responsabilidades e esse momento é considerado a primeira etapa de transição no Pipeline de Liderança.

Pois, diferente de antes, quando só cumpria as atividades que eram solicitadas, agora ele passa a delegar afazeres.

É nesse estágio também que surge o primeiro desafio, quando o profissional precisa entender que de executor agora ele é gestor.

Alguns podem sentir certa dificuldade de delegar, mas se esse desafio for vencido, então o colaborador vai para a segunda fase do Pipeline de Liderança.

2: de gerenciar os outros para gerenciar gerentes

A segunda etapa do Pipeline de Liderança é destinada para a construção da base necessária para todo cargo de gestão.

A empresa precisa garantir que o profissional se desvincule totalmente da sua função anterior, focando agora no seu papel como gestor.

É aqui, portanto, que o profissional deve aperfeiçoar seu olhar, para que seja ainda mais estratégico e, inclusive, para que esteja atento a outros líderes que possam surgir, diferenciando-os dos funcionários que apenas executam suas tarefas.

O chamado líder de segunda linha também precisa compreender os valores da instituição, além das regras e todos os demais aspectos que influenciam na cultura organizacional.

3: de gerenciar gerentes para gerenciar uma função

A próxima etapa de transição acontece quando o colaborador deixa de fazer a gestão de pessoas para realizar a gestão de uma função da empresa, que muitas vezes contempla toda uma área do negócio (ser gerente de vendas, por exemplo).

O profissional que chega a este nível precisa dispor das habilidades desenvolvidas nos momentos anteriores a esta etapa do Pipeline e, ainda, se aprofundar sobre a área de atuação em questão.

Fora disso, também deve aperfeiçoar a sua capacidade de analisar cenários e de tomar decisões estratégias que venham beneficiar o negócio.

Esta etapa está relacionada ao desenvolvimento de habilidades de comunicação, afinal, para exercer com êxito sua função, o profissional precisa dispor de relacionamento com os demais setores da empresa.

4: evoluindo de gerente operacional a gerente de negócios

A etapa 4 do Pipeline de Liderança se inicia quando o gestor deixa seu cargo de coordenador de uma área para administrar o negócio de forma geral, o que vai exigir bastante dele como profissional.

O desafio se dá justamente por conta das diversas mudanças que acontecem nessa etapa.

A partir desse momento, o profissional precisa deixar de fazer algumas atividades para se concentrar nas métricas do negócio.

O gestor fica responsável por analisar como está a participação da empresa no mercado, quais os lucros obtidos nos últimos anos, onde ela quer estar em um futuro próximo e muito mais.

5: de gerente de negócios a gerente de grupo

Ao ser bem-sucedido na etapa anterior, o profissional é instigado a ir para a quinta transição do pipeline, na qual é destinado ao gerenciamento de um grupo de empresas.

Essa prática é ainda mais desafiadora que as anteriores porque multiplica as responsabilidades do gestor.

Nessa fase, o profissional precisa se preocupar com atitudes que possam potencializar a lucratividade da empresa, mas respeitando a autoridade dos gestores menores.

6: de gerente de grupo a administrador de empresa

A sexta e última etapa do Pipeline de Liderança, consiste em colocar o profissional no posto mais almejado no ambiente corporativo: o de CEO.

Para chegar aqui, o líder não deve somente dispor de habilidades, competências e aptidões certas, mas ter valor, ética e caráter.

Mais do que em qualquer outra fase, nesta, o profissional precisa ser proativo e ter um olhar estratégico, considerando fatores externos, como economia, tecnologia, política, que são aspectos que podem influenciar no mercado.

Para somar a essas competências, ele deve se tornar visionário, tornando-se de uma vez por todas, um líder de alta performance.

Para que serve o Pipeline de Liderança?

A metodologia do Pipeline de Liderança, se bem aplicada, pode transformar toda a gestão de uma empresa, além de influenciar todas as outras funções a seguirem os mesmos passos.

O Pipeline de Liderança é a melhor receita para minimizar riscos em colocar pessoas que não estão preparadas para o cargo e assim, também ajuda a promover a meritocracia.

Quais as vantagens de utilizar o Pipeline de Liderança?

A popularidade do método Pipeline de Liderança se deve às vantagens que esse modelo traz para as empresas.

Quais as vantagens de utilizar o Pipeline de Liderança?

Confira os principais benefícios em adotá-lo:

  • Planejamento de sucessões facilitado;
  • Clareza de atribuições;
  • Identificação de talentos;
  • Suporte ao treinamento e desenvolvimento;
  • Melhora na avaliação de desempenho;
  • Agilidade na formação de líderes.

Podemos concluir que, ao aplicar o Pipeline de Liderança, estaremos preparando a empresa para possuir líderes de ponta, sempre muito bem qualificados para exercer a função.

Neste sentido, o RH deve estar atento a todas as funções e colaboradores, afinal de contas, nunca se sabe de onde pode vir o próximo líder.

Esteja preparado para indicar treinamentos pertinentes, sempre que for necessário, afinal, o crescimento da empresa e a busca por resultados, depende disso.

Gostou do nosso conteúdo?

A Keeps é uma Edtech cujo foco é desenvolver e impulsionar conhecimento. Nosso Blog é diariamente atualizado com temáticas voltadas para T&D e RH!

Com base nesse conteúdo, criamos o Go Learning, uma Universidade Corporativa gratuita com diversos cursos que podem te ajudar no Pipeline de Lideranças.

Ficou interessado? Inscreva-se e conheça nossos produtos!

Perguntas frequentes sobre Pipeline de Liderança:

O que é um Pipeline de Liderança?

O Pipeline de Liderança é um método estruturada através de um modelo desenvolvido para encontrar perfis de liderança em potencial a serem evoluídos entre os colaboradores de uma empresa. Através do Pipeline, os colaboradores são avaliados de diversas maneiras, tendo como ênfase suas competências e habilidades.

Quais são as etapas do Pipeline de Liderança?

O Pipeline de Liderança é formado por 6 transições:

1: de gerenciar a si mesmo, para gerenciar os outros: diferente de antes, quando só cumpria as atividades que eram solicitadas, agora ele passa a delegar afazeres.
2: de gerenciar os outros para gerenciar gerentes: o colaborador deve aperfeiçoar seu olhar, para que seja ainda mais estratégico e, inclusive, para que esteja atento a outros líderes que possam surgir, diferenciando-os dos funcionários que apenas executam suas tarefas.
3: de gerenciar gerentes para gerenciar uma função: está relacionada ao desenvolvimento de habilidades de comunicação, afinal, para exercer com êxito sua função, o profissional precisa dispor de relacionamento com os demais setores da empresa.
4: evoluindo de gerente operacional a gerente de negócios: o gestor fica responsável por analisar como está a participação da empresa no mercado, quais os lucros obtidos nos últimos anos, onde ela quer estar em um futuro próximo e muito mais.
5: de gerente de negócios a gerente de grupo: o profissional precisa se preocupar com atitudes que possam potencializar a lucratividade da empresa, mas respeitando a autoridade dos gestores menores.
6: de gerente de grupo a administrador de empresa: o profissional precisa ser proativo e ter um olhar estratégico, considerando fatores externos, como economia, tecnologia, política, que são aspectos que podem influenciar no mercado.

Gustavo Formighieri
Possui graduação em Ciências da Computação e é especialista em Gestão de Projetos e Marketing Digital pela FGV, hoje atuando como fundador de COO da Keeps, ajudando as empresas a implantar e operacionalizar processos e ferramentas para capacitação dos colaboradores.
Continue sua pesquisa
Pesquisar

Está com alguma dúvida? ENTRE EM CONTATO COM A GENTE!

Relacionados

Converse com nossos especialistas

Descubra como nossa plataforma pode transformar sua equipe e impulsionar o crescimento da sua empresa. Agende agora uma demonstração exclusiva e veja como podemos lhe ajudar: